Beleza sem Cirurgia – parte 3

Agora que você já sabe como deter o envelhecimento da sua pele, aprenda no artigo de hoje, que faz parte da série sobre o livro “Beleza sem cirurgia“, sobre as características e propriedades de alguns dos componentes cosméticcos mais utilizados pela indústria cosmética na produção de cremes, géis e loções.

Os cremes, géis e as loções podem ser industrializados ou preparados sob receita médica (manipulados).

A grande vantagem dos produtos industrializados é a facilidade na escolha, pois basta saber o seu tipo de pele para conseguir escolher um; além do fato destes produtos serem amplamente testados antes de serem lançados, e possuirem um controle de qualidade muito mais rigoroso no seu processo de produção. A desvantagem deste tipo de produto é que os princípios ativos são adicionados em concentrações menores dos que nos cremes prescritos pelos médicos, exigindo assim um maior tempo de uso para se alcançar o resultado almejado.

Já os produtos manipulados tem a vantagem de terem a sua formulação prescrita especificamente para a sua pele, após análise de um especialista. Mas tem a grande desvantagem de você estar sujeito a erros na manipulação do produto, caso encomende as suas receitas em uma farmácia não muito correta e um menor prazo de validade dos produtos, que geralmente acabam tendo a cor, odor e propriedades alterados em muito pouco tempo de uso, sendo necessário o seu descarte.

Veja a seguir os principais  ativos dos cremes cosméticos:

VITAMINA C (Um antioxidante poderoso): Seu principal efeito é a redução de radicais livres, substâncias que danificam o metabolismo celular. A vitamina C aumenta a produção de colágeno, protegendo a pele contra a ação prejudicial dos raios solares; homogeneiza os pigmentos tendo ação clareadora e acelera o processo de cicatrização da pele. A Vitamina C só funciona se a pele estiver bem limpa e deve ser aplicada após a limpeza facial mas antes dos hidratantes e demais produtos. A idade ideal para começar o seu uso é a partir dos 30 anos.

ÁCIDO RETINÓICO: É um derivado da vitamina A e é um estimulador da regeneração da pele, combatendo rugas ao estimular a produção de colágeno. Ele não deve ser usado no verão, sob o risco de manchar a pele e nem durante o período de gestação. Aqui no Brasil, o indicado é usar o Ácido Retinóico a partir de abril até agosto somente. A idade ideal para começar o seu uso é a partir dos 37 anos.

ÁCIDO GLICÓLICO: (pele mais fina e bonita): É um derivado de frutas cítricas e ajuda a eliminar células mortas, aumentando a flexibilidade da pele e facilitando a penetração dos hidratantes. Pode ser usado em conjunto com a Vitamina C. Durante o verão, substitui o Ácido Retinóico. A idade ideal para começar o seu uso é a partir dos 37 anos.

FURFURILADENINA: Atua na renovação celular. Devido ao poder de nutrir a célula, retarda o seu envelhecimento precoce e previne o fotoenvelhecimento. É uma boa parceira do Ácido Retinóico, pois alivia eventuais irritações. A idade ideal para começar o seu uso é a partir dos 30 anos.

DMAE: (campeã da firmeza muscular): Tem o objetivo de recuperar e manter os músculos faciais. É um coadjuvante dos tratamentos antienvelhecimento por promover o crescimento dos músculos faciais deixando a pele mais firme e lisa. O creme deve ser passado por 4 meses e o efeito continua por 8 meses após a interrupção do uso. A idade ideal para começar o seu uso é a partir dos 37 anos.

A maioria dos hidratantes possui uma mistura de componentes, como ácido hialurônico, lactato de amônia, uréia, vitaminas C e E, em concentrações combinações e proporções variadas. Por este motivo, é sempre bom mudar a marca do produto assim que o potinho acabar. Essa troca estimula a resposta da pele e nada impede que daqui a algum tempo você volte a utilizar o mesmo produto.

Espero que este artigo a ajude a entender melhor o produto que está utilizando e ponderar se é o melhor para sua pele neste momento.

No próximo artigo desta séria, falaremos um pouco sobre peelings. Até lá!